Diferenciando as Máscaras de Reinalação Parcial (Alta Concentração) e Não Reinalação

Covid-19 e os perigos do Sedentarismo
25 de março de 2021
Infecção hospitalar o verdadeiro inimigo da UTI.
28 de abril de 2021

A máscara não-reinalante é um conjunto formado por uma máscara, bolsa reservatório e três válvulas unidirecionais, uma separando o reservatório da máscara e as outras duas nas laterais da máscara. O oxigênio flui para a bolsa reservatório de modo que, quando o paciente inspira, ele inala O2 do reservatório. As válvulas unidirecionais nas laterais da máscara evitam que o ar ambiente entre na máscara e dilua o O2, reduzindo a FiO2. Quando o paciente expira, o ar expirado sai da máscara pelas duas válvulas da máscara e é impedido de entrar no reservatório porque a válvula do reservatório fecha durante a expiração. Assim, ocluir as válvulas laterais da máscara impede a expiração do paciente, promovendo intensa reinalação de CO2.

A eficiência desta máscara depende do ajuste da vedação da máscara e do funcionamento adequado das válvulas. Em condições ideais, esta máscara (quando instalada com todas as três válvulas) pode fornecer uma FIO2 de até 95%. Estudos de campo mostram que ela pode fornecer uma FIO2 tão baixa quanto 60%, a depender do volume minuto e da demanda de fluxo do paciente, e de fatores como a vedação da máscara no rosto.

Para usar a máscara, ela é conectada ao suprimento de O2 a uma taxa de fluxo de 10 a 15 L / minuto. A bolsa reservatório deve ser inflada ou “preparada” antes de colocá-la no paciente. Isso pode ser feito colocando um polegar ou dedos na válvula entre o reservatório e a máscara enquanto o reservatório infla. Deve-se ter cuidado para não permitir que o O2 seja desconectado ou a bolsa fique totalmente desinsuflada enquanto a máscara estiver sendo usada. Por causa das válvulas unidirecionais, se não houver suprimento de O2, pode ocorrer asfixia do paciente.

Especificações das máscaras e objetivos terapêuticos

É importante ter em mente que o tipo de máscara a ser utilizado é uma decisão do terapeuta responsável pelo paciente.

Máscaras de Alta Concentração ou Máscaras de Reinalação Parcial

Estas máscaras possuem um balão reservatório de 750 ml, este reservatório permite que haja utilização do oxigênio contido nele durante a inspiração.

Com administração de fluxos que variam entre 8 a 12 litros de O2 por minuto se obter concentrações de oxigênio que variam de 60 a 80% (pode haver variação caso a respiração do paciente seja alterada e o suprimento do fluxo seja inadequado)

Máscaras de Não-Reinalação

É uma versão da Máscara de Alta Concentração, onde foram instaladas uma ou mais válvulas de via única em um ou nos dois orifícios da máscara:

– Fluxos recomendados: 10 a 12 LPM para concentrações de O2 entre 80 e 100%;

– Caso o fluxo (LPM) não for o adequado, o sistema não suprirá gás suficiente para atingir as necessidades dos pacientes;

– Usar o fluxo necessário para evitar o colapso do balão reservatório durante a inspiração.

Fatores chave na escolha de um produto para terapia com oxigênio:

– Severidade/causa da hipóxia

– Idade do paciente (infantil, pediátrico, adulto)

– Grau de consciência/alerta

– Presença/ausência de intubação traqueal

– Estabilidade da ventilação minuto

Condições de hipóxia que podem ser melhoradas com oxigenoterapia:

– Hipertensão pulmonar

– Insuficiência cardíaca congestiva

– “cor pulmonale”

– Eritrocitose

– Processos degenerativos da cognição

– Apnéia do sono

– Cefaléia matinal

Concentrações de oxigênio alcançado pelos modelos abaixo

Máscaras de oxigênio                   8 lpm – 60% FIO2

Com reservatório                           9 lpm – 70% FIO2

alta concentração                        10 lpm – 80% FIO2

                                                        12 lpm – 90% FIO2

Máscaras de oxigênio              8-12 lpm – 90-99% FIO2

Não-reinalação

Fonte: (https://hc.unicamp.br/wp-content/uploads/2020/08/Protocolo-enfermaria-COVID-19-Versa%CC%83o-4.2.pdf)