O papel da tecnologia na UTI Neonatal

Equipamento point-of-care portátil I-STAT
23 de julho de 2020
Tendências para o Mercado da saúde
26 de agosto de 2020

De acordo com a ONU, em 2016, sete mil crianças morreram antes do quinto aniversário e, se a situação permanecer desta forma, serão 60 milhões de crianças morrendo nessas condições entre 2017 e 2030, metade delas durante o período neonatal.

No Brasil, segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, diariamente nascem 40 prematuros e ocorrem mais de 900 partos antes da hora. Os números alarmantes fazem da prematuridade um tema de grande importância.

A Unidade de Terapia Intensiva (UTI) é altamente eficaz para o tratamento de casos clínicos mais sérios. Envolvendo uma complexidade ainda maior, a UTI Neonatal se torna um grande desafio entre os profissionais da sCuaúde — tendo em vista que acolhe uma nova vida que está correndo risco.

Uma UTI Neonatal como qualquer outra, tem o intuito de monitorar com precisão as situações consideradas mais graves ou os pacientes com alguma descompensação sistêmica. No caso voltado para o atendimento de recém-nascidos a unidade busca o tratamento de prematuros que apresentam alguma situação adversa ao nascer. Isso quer dizer que nem sempre os bebês estão doentes, muitas vezes, eles precisam de uma atenção maior da equipe médica para que possam crescer com qualidade, se tornando aptos a respirar, sugar e deglutir.

Encontrar novas formas de aumentar o número de vidas salvas é um desafio constante. O papel da tecnologia é crescente na melhoria dos cuidados neonatais nos primeiros dias de vida e de um bebê prematuro. Os resultados são visíveis, por exemplo: há um tempo, o nascimento de um bebê com menos de 23 semanas era considerado um aborto, pois as chances de sobrevivência eram mínimas. Hoje, graças a todos os avanços, e produtos disponíveis no mercado é possível rever esse conceito e salvar vidas de prematuros de apenas 22 semanas, simulando dentro da incubadora o ambiente ideal para sua sobrevivência.

As unidades intensivas se tornam importantes a partir do momento em que buscam promover uma boa qualidade de vida para aquela criança, criando um ambiente protegido para que ela fortaleça as funções em desenvolvimento. Isso amplia seu potencial de crescimento saudável, bem como assegura a família de que está tudo bem com o novo membro.

Vale lembrar que, dependendo do caso e do hospital, muitas vezes, os pais podem acompanhar a criança durante toda a sua internação, tendo em vista que os horários restritos não existem. Isso tranquiliza a família e auxilia no tratamento do bebê, fazendo com que a sua recuperação seja muito mais rápida.

Quer saber mais sobre nossos produtos voltados para a Neonatologia? Clique aqui e veja nosso catálogo de itens disponíveis.

Fontes:
https://www.prematuridade.com/index.php/noticia-mod-interna/a-importancia-da-tecnologia-na-hora-de-salvar-a-vida-de-prematuros-8847
https://www.ceen.com.br/uti-neonatal/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove − cinco =